Espécie humana (letal e letal)



Considera-se, neste caso, o gene que controla a debilidade mental(I/i) e a presença de anormalidades nos dedos (B/B') , conforme descrito a seguir:

I_ = normal

ii = debilidade mental (idiotia amaurótica infantil)


BB =letal

BB' =dedos curtos (braquifalangia)

B'B' = normal

A descendência do casamento entre duplo-heterozigotos(BB'Ii x BB'Ii) é descrita a seguir:

Idiotia
Braquifalangia
RF adulta
1 Normal (I-)
2/3 dedos curtos (BB')
2
1 Normal (I-)
1/3 dedos normais (B'B')
1

APLICAÇÃO


Bovino (Dominância completa e ausência de dominância)

Considera-se, neste caso, o gene que controla a presença de chifres (C/c) e a cor da pelagem, conforme descrito a seguir:

C/c = ausência de chifre/presença de chifres

RR = vermelho

Rr = rosilho

rr = branco

Cruzamentos entre duplo-heterozigotos (CcRr x CcRr) formam:

Chifre
Pelagemo
RF
3/4 Sem chifre (C_)
1/4 Vermelho(RR)
3
3/4 Sem chifre (C_)
2/4 Rosilho(Rr)
6
3/4 Sem chifre (C_)
1/4 Branco(rr)
3
1/4 Com chifre (cc)
1/4 Vermelho(RR)
1
1/4 Com chifre (cc)
2/4 Rosilho(Rr)
2
1/4 Com chifre (cc)
1/4 Branco(rr)
1




SEGREGAÇÃO - UM GENE


Em razão da relação da dominância entre os alelos tem-se, na decendência de um heterozigoto, várias proporções fenotípicas ou genotípicas, conforme ilustrado a seguir:

Relação de Dominância
RG na descendência de um híbrido
RF na descendência de um híbrido
Dominância completa
1:2:1
3:1
Codominância
1:2:1
1:2:1
Ausência de dominância
1:2:1
1:2:1
Homozigoto letal
1:2
1:2 ou 1

ALELOS LETAIS


Nesse caso a manifestação fenotípica do alelo é a morte do indivíduo, seja na fase pré-natal ou pós-natal, anterior a maturidade. Os alelos letais dominantes surgem de mutações de um alelo normal. Os portadores morrem antes de deixar descendente, sendo rapidamente removido da população.

Os alelos letais recessivos só resultam na morte do indivíduo quando em homozigose. Os heterozigotos podem não apresentar efeitos fenotípicos deletérios, e assim permitem que esses alelos permaneçam na população, mesmo que em baixa freqüência. Como ilustração cita-se o gene C/c que controla a quantidade de clorofila na flor ornamental boca-de-leão. Assim, tem-se:

CC = folha verde
Cc = folha verde claro

cc = letal

AUSÊNCIA DE DOMINÂNCIA


Nesse caso os alelos expressam integralmente quando em heterozigose, mas o fenótipo do heterozigoto é intermediário aos dois homozigotos em função de um efeito quantitativo da atividade dos alelos. Como o exemplo cita-se a ação do gene V/v conforme descrito a seguir:

VV = Vermelho
vv = branco

Vv = rosa

DOMINÂNCIA COMPLETA


Nesse caso um alelo é capaz de suprimir a manifestação do outro quando em heterozigose, de tal forma que o fenótipo do heterozigoto é igual ao apresentado por um dos homozigotos (homozigoto dominante).

Como exemplo cita-se o gene V/v em ervilha, em que V determina cotilédones de cor amarela e v cotilédones de cor verde. Tem-se, portanto:

VV = amarelo
vv = verde
Vv = amarelo



CODOMINÂNCIA


Ocorre quando ambos os alelos de um gene se expressam integralmente no heterozigoto, de tal forma que o fenótipo deste heterozigoto é distinto em relação aos dois homozigotos.

Em 1927, Landeateiner e Levine descobriram um grupo de antígeno nos glóbulos vermelhos no sangue, denominados de antígeno M e N. Toda as pessoas podem ser classificadas em M, N ou MN. A herança desse caráter é monogênica, através de alelos codominantes, que atuam da seguinte forma:

LM : produz o antígeno M

LN : produz o antígeno N.

As pessoas são classificadas em:

Grupo Sangüíneo
Antígenos
Genótipo
M
M
LM LM
N
N
LN LN
MN
M e N
LM LN

 

 

 

 

Até aqui abordamos caracteres nos quais um gene dominante a atividade doseu alelo recessivo.
[ ver mensagens anteriores ]